Liderança, questionamentos e injustiças.

Já repararam de onde a injustiça vem?

Ah...Lideres... De cima!

Conhece alguém que foi injustiçado por seu subordinado?

Bem pode até ocorrer. Mas a injustiça está ligada ao poder. E quem tem o poder? Quem está em cima. Quem é líder.

Vivemos num mundinho, onde devemos “nos sujeitar a autoridade”. Concordo, sim. E discordo também.


E quando a autoridade estiver errada? Vou me calar? Contando com que Deus “faça alguma coisa”?

Não estou falando da autoridade de seu pastor. Não!

Estou falando com você líder!

Que não ouve seus liderados. Que não aceita ser questionado. Que não aceita opinião do grupo. Será que de fato todos estão errados e só você está certo? Pense bem!

Ei, líder. Você tem medo de ser questionado? De ser confrontado? Não aceita que discordem de você? Esse é o caminho que te conduzirá em breve a praticar INJUSTIÇA.

Questionar é ser insubodinado? Será? Pode ser. E dai? Qual é a intenção desse questionamento?

Ser questionado e discordarem com você é um caminho que traz novas possibilidades, traz transformações, opções, mudanças, um novo rumo.

Se não fosse o questionamento de um homem, ainda hoje seriamos todos Católicos. Lembram de Lutero? Questionador. (nada contra meus amados irmãos e amigos católicos, é fato que discordamos em questões bíblicas, mas os respeito e são excepcionalmente bem vindos ao site. De fato são muito mais unidos que nós. Isso vocês poderão ler no meu próximo artigo “RESPEITO A SUA VERDADE”.)

Bem, a questão é:

Líder... Você é seguro de si o suficiente para ser questionado? O que você vai fazer? Vai ouvir? Vai ignorar? Vai trazer à tona a injustiça?

Já vi lideres que não gostam de ouvir os liderados. Os ignoram. Ignoram seus pedidos.

Eu sou formada em Publicidade. Tive uma disciplina na faculdade chamada Pesquisa de Mercado. O fato é empresas gastam milhões em pesquisas de satisfação do cliente. Porém, um simples telefonema seu para o SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) faz essa empresa economizar esses milhões em pesquisas. Como? Você liga e reclama do produto. Ela não funciona de acordo com o que propõe, enfim. Você leva a reclamação e a resposta que eles querem ao mesmo tempo.

Muito interessante se aplica-la dentro do contexto “igreja”. Reclamação é assim. Se tem alguém reclamando. Alguma coisa está errada. Ainda que essa reclamação seja “fantasiosa”, o sentimento que ela gera em quem está reclamando é REAL. E se este sentimento é real, embora a reclamação seja “uma ilusão da cabeça da pessoa”, precisa ser tratada. Precisa ser ouvida e resolvida.

Líder... Ouça seus liderados. Suas alegrias, medos, aspirações e loucuras. Ouça e ajude-os. Deus te colocou aí pra isso mesmo.

Antes que a injustiça ande contigo lado a lado.

-----------------------------------------------
Por Luiza Regina Reis
luizareginareis@bol.com.br