Pantomima – Menos Palavras, Mais Ações

Pantomima* pode ser definida como um teatro gestual, com um pouco de dança e a expressão exige não apenas o rosto, mas todo o corpo, e a partir disto, criar uma seqüência lógica formando uma história. É um método difícil na questão de expressão, pois exige muito do ministro de teatro, por outro lado, se o problema for memorização de textos, pantomima cai como uma luva, pois dispensa o uso de falas nos atores, apenas um roteiro que narra o que cada um faz com seu próprio corpo. Será vista a história da pantomima, sua utilidade e também as exigências técnicas para melhorar a qualidade.

A pantomima tem origem nas culturas egípcia, hindu, suméria e grega, principalmente nas epopéias (gregas), que apresentavam várias características pantomímicas. Note que é mesmo princípio que o teatro convencional dramático teve, ambos surgiram nas mesmas épocas, ou seja, a mais de cinco mil anos. As pantomimas eram muito utilizadas em rituais religiosos, nos quais o sacerdote utilizava a expressão corporal para narrar o ritual. Shakespeare em Hamlet fez uma pantomima muito conhecida que fala sobre o ser ou não ser e Hamlet. Agora voltando para mais próximo de nossa atualidade, a pantomima teve grande abertura e foi reformulada com Charles Chaplin, este colocou cenário e objetos na pantomima – a pantomima original faz uso de um palco completamente vazio - isto mostra que o cinema mundial dependeu da pantomima para que este existisse, um ótimo exemplo de pantomima no cinema é o tão comentado filme “Tempos Modernos”, de Chaplin também. Tudo isto trouxe a pantomima atual, uma ferramenta de evangelismo poderosa se bem aplicada.

Com um passado muito interessante, esta técnica é muito estudada, comentada e usada por ser dinâmica e didática, é uma pena que uma arte que une a síntese dos pensamentos e dos sentimentos é tão pouco conhecida no Brasil. A pantomima não tem e não pode ter sinônimos, ou seja, não é ambígua, não é incompreensiva e nem complicada, o entendimento desta está ao alcance de todos. Muitos grupos durante missões trans-culturais fazem justamente pantomima, assim o público entende não importa o idioma nem o sotaque do ministro de teatro – O qual, a partir de agora, podemos chamar de pantomímico. - O que a pantomima moderna realmente tem a oferecer ao evangelismo é a simplicidade, o fato de ser direta, falta de ambigüidade e descontração entre o público infanto-juvenil.

A pantomima é muito útil ao evangelismo por ser descontraída, por isso a regra número um de todo pantomímico é não ter vergonha de expor seu lado ridículo, não ter vergonha levantar os braços, de fazer expressões de alegria, choro, dor, desespero, etc. não ter timidez ao ser sensível, enfim, trabalhar com o seu grupo sobre timidez em usar seu corpo todo com expressão de um determinado sentimento é o fundamental na pantomima. Um belo exercício é primeiro fazer o pantomímico expressar uma emoção e os outros adivinharem, depois mude a emoção e cubra seu rosto e faça os outros adivinharem, por fim, em um estágio mais avançado, amarre seus braços – mantendo o rosto coberto - e mude a emoção, se os outros atores entenderem a emoção, parabéns! Você tem um excelente pantomímico em seu grupo para Jesus! É importante utilizar roupas leves para facilitar os movimentos, tentar ao máximo colocar a personalidade do personagem em suas roupas e maquiagem – exemplo: pintar o rosto todo de branco é só para Jesus, os outros devem ter uma mancha negra no rosto, vestuário branco apenas para anjos, salvos e Deus, os outros devem ter outras cores, etc. – ao manter o mesmo padrão nas apresentações o público passa a compreender melhor. A postura e forma física são importantes, o pantomímico deve conseguir terminar a pantomima que iniciou. Utilizar adereços é uma boa para trazer mais nitidez à peça – Assim como Chaplin o fez – e a respeito de música, use uma sem letra, mas se esta possuir letra, que seja cristã. Você também pode usar introduções de grupos mundanos – no teatro “Mãos Vazias”** (embora não seja pantomima, podemos utiliza-lo como exemplo neste caso), quando os demônios vão arrastar as pessoas para o inferno, é bom um rock pesado que muitas vezes não há no meio evangélico – porém apenas as introduções, e se a música for em português, deve se encaixar com a peça, se não, escolha outro idioma. Pantomima sem música é pantomima morta.

Mesmo sendo pouco conhecida e, infelizmente, pouco usada, a pantomima se apresenta como uma excelente ferramenta para aqueles que desejam o ministério teatral por ser atrativa, dinâmica e direta. Totalmente dependente de figurinos e maquiagens e, principalmente, da expressão facial do pantomímico. Iniciar a utilização de pantomimas em seu grupo é excelente pois ajuda a desempenhar também o teatro dramático melhor. Não importa qual seja a pessoa, e se tem ou não deficiência auditiva, ela é apta para entender uma pantomima, pois nesta técnica não é a pessoa que se esforça para entender o significado da peça, mas sim a peça se esforça para que a pessoa entenda o seu significado. Fazer teatro assim é uma das melhores formas pois encanta pessoas de diferentes faixas-etárias e tem um excelente retorno. Pantomima para Jesus é algo maravilhoso, é desta forma que nos fazemos como fracos para conquistar os fracos.

*Pantomimas On-line:
http://www.teatrocristao.net




------------------------------------------------------
por Paulo Marcos Pereira dos Santos